Gastroplastia endoscópica: um tratamento efetivo para obesidade

Gastroplastia endoscópica: um tratamento efetivo para obesidade

A gastroplastia de manga endoscópica (ESG) é uma forma segura e eficaz para o tratamento de obesidade e comorbidades relacionadas à obesidade, como diabetes, hipertensão arterial e fígado gorduroso,

Leia tudo

A gastroplastia de manga endoscópica (ESG) é uma forma segura e eficaz para o tratamento de obesidade e comorbidades relacionadas à obesidade, como diabetes, hipertensão arterial e fígado gorduroso, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores do New York-Presbyterian e Weill Cornell Medicine divulgado no artigo “Gastroplastia em manga endoscópica reduz significativamente o índice de massa corporal e as complicações metabólicas em pacientes obesos”, publicado na revista de Gastroenterologia Clínica e Hepatologia.

A Gastroplastia em manga endoscópica é um procedimento bariátrico minimamente invasivo, realizado através de uma abordagem endoscópica e não cirúrgica. O objetivo da gastroplastia é reduzir o diâmetro do estômago para facilitar a perda de peso usando uma técnica de aposição de tecido transmural utilizando um sistema de sutura endoscópica de espessura total.

Segundo Dr. Reem Sharaiha, diretor de endoscopia bariátrica e diretor associado do Pâncreas Programa no New York-Presbyterian e Weill Cornell Medical Center, “a obesidade é uma preocupação significativa para a saúde que afeta milhões de pessoas, mas até agora não houve um tratamento efetivamente minimamente invasivo que podemos oferecer aos pacientes”. Sharaiha também é professor assistente de medicina na Weill Cornell Medicine e consultor de Apollo Endosurgery. Para ele, com a Gastroplastia “estamos dando aos pacientes que não são elegíveis para a cirurgia, ou consideram que é um risco muito alto para a cirurgia, uma nova opção para seus cuidados”.

SOBRE O ESTUDO

O estudo acompanhou 91 pacientes que se submeteram à gastroplastia de agosto de 2013 a março de 2016. Todos os pacientes eram clinicamente obesos, com IMC> 30, e não tinham medidas de perda de peso não invasivas, ou tinham IMC> 40, e não eram considerados candidatos cirúrgicos ou recusaram a cirurgia bariátrica.

Vale ressaltar que o procedimento não é indicado em pacientes com lesões gástricas, ou histórico familiar de câncer gástrico. Além de uma consulta pré-processual com o gastroenterologista, os pacientes também foram vistos por um endocrinologista, um nutricionista e um psicólogo para fornecer uma abordagem multidisciplinar.

OS RESULTADOS DO ESTUDO

Todos os pacientes foram submetidos à cirurgia com anestesia geral. O tempo médio de procedimento foi de 98,3 ± 39,3 minutos. O tempo médio de procedimento para os primeiros 35 casos foi de 144,9 ± 39,4 minutos, em comparação com o tempo médio de procedimento dos casos subsequentes de 74,32 ± 18,7 minutos (p <0,001).

O procedimento exigiu uma mediana de seis suturas para a primeira camada e três suturas para a segunda camada. O tamanho médio do estômago, definido como medição do piloro para a junção GE, antes de ESG foi de 34,8 cm e diminuiu para 20,4 cm após ESG (p <0,001).

Os primeiros 11 pacientes permaneceram em observação após o procedimento, e seu período médio de permanência foi de 2,1 dias. Todos os pacientes seguintes foram para casa no mesmo dia.

Resultados primários

Perda total de peso corporal (TBWL) aos seis, 12 e 24 meses. O sucesso clínico foi definido como TBWL de pelo menos 15%.

Resultados secundários

A Gastroplastia teve impacto sobre comorbidades metabólicas, incluindo pressão arterial, diabetes, colesterol e a esteatose hepática.

Perda de peso

A média foi de 14,4% aos seis meses; aumentou para 17,6% aos 12 meses e 20,9% aos 24 meses. A diminuição do peso em cada ponto de tempo comparado com a linha de base foi estatisticamente significante (todos p <0,001).

O IMC diminuiu de uma média de 40,7 para 32 aos 12 meses (p <0,001). 70% dos pacientes ao longo dos 12 meses alcançaram o sucesso clínico, conforme definido por mais de 15% de TBWL. Além disso, a circunferência da cintura diminuiu significativamente de 119,7 ± 14,1 cm para 92,8 ± 5,9 cm (p = 0,001) aos 12 meses.

A idade mais jovem foi significativamente associada à perda de peso aos 12 meses. Além disso, houve uma diferença estatisticamente significativa na obtenção de% TBWL antes e depois dos 34 casos.

CONCLUSÕES SOBRE O ESTUDO

Segundo os pesquisadores, a Gastroplastia evoluiu para um mesmo dia, procedimento endoscópico ambulatorial com impacto significativo na perda de peso e baixa taxa de eventos adversos. “Este estudo demonstra que o ESG pode reduzir as medidas de comorbidades médicas associadas à obesidade, além da perda de peso bem-sucedida. Embora os dados de longo prazo ainda sejam necessários, o procedimento estabeleceu sua posição no armamento da terapia bariátrica”.

Este texto foi traduzido de: Bariatric News

GATROPLASTIA ENDOSCÓPICA NO BRASIL

No final do ano passado a ANVISA aprovou a nova técnica cirúrgica para redução de estômago: gastroplastia endoscópica. Em breve nossa Clínica estará realizando este procedimento em Curitiba nos próximos meses!
Gastroplastia endoscópica: um tratamento efetivo para obesidade

Posts Relacionados