Maior incêndio já registrado destrói cartões-postais na Chapada

Maior incêndio já registrado destrói cartões-postais na Chapada

Os três principais pontos turísticos da região foram atingidos pelas chamas; fogo atingiu uma pousada próxima ao Vale da Lua, destruindo trilhas frequentadas por turistas e bangalôs da

Leia tudo

Os três principais pontos turísticos da região foram atingidos pelas chamas; fogo atingiu uma pousada próxima ao Vale da Lua, destruindo trilhas frequentadas por turistas e bangalôs da propriedade. Alto Paraíso (GO) — Primeiro, o Morro da Baleia. Depois, o Jardim de Maytrea. Ontem, o Vale da Lua. O fogo atingiu os três principais cartões-postais da Chapada dos Veadeiros, no nordeste de Goiás. Todos tiveram a sua área verde completamente queimada. No caso mais recente, ele chegou à pousada mais próxima. Destruiu trilhas frequentadas por turistas e um dos bangalôs da propriedade. Autoridades dizem que o incêndio está perto de ser controlado. Os integrantes da força-tarefa, porém, afirmam que a extinção das queimadas só é possível com uma chuva forte, esperada para amanhã. O incêndio iniciado em 17 de outubro e ainda em andamento é o maior da história do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Até a noite de ontem, o fogo queimou 62 mil hectares, o equivalente a 26% da área total da unidade de conservação, que ocupa 240 mil hectares. Mas, somados os outros quatro incêndios iniciados e apagados desde 10 de outubro, foram queimados cerca de 75 mil hectares. Em todo o ano, o fogo consumiu 82 mil hectares, mais do que toda a área antiga da reserva, que era 65 mil hectares. O tamanho foi ampliado por meio de portaria assinada pelo presidente da República, Michel Temer, em julho.

As informações são do diretor do parque, Fernando Tatagiba. “Temos um aparato considerado ideal, mas o controle total e a extinção do incêndio só virão com uma chuva forte, o que está previsto para sexta-feira. Vamos torcer”, ressaltou. O balanço, no entanto, não leva em conta a área queimada fora do Parque Nacional da Chapada. Fazendas e reservas particulares também sofrem com uma série de incêndios. Ontem, o Vale da Lua era o mais atingido. O fogo chegou à vizinha pousada Aldeia da Lua.

Bombeiros e brigadistas haviam controlado o fogo ao redor da propriedade, na noite de terça-feira. “Por volta das 22h, o pessoal apagou tudo e foi embora. Fui dormir tranquilo. Mas às 2h, acordei com os estalos do fogo, que atravessou o Rio São Miguel. Eu e um funcionário corremos, pegamos baldes e uma mangueira. Não deu tempo de salvar um dos bangalôs. Queimou tudo. Mas evitamos que ele se espalhasse pelo restante da pousada”, contou, chorando, o dono do estabelecimento, Marcelo Roriz dos Santos, 60 anos.
Prejuízo incalculável
O vale rochoso é alcançado por uma trilha fácil, a partir de uma casa, onde é cobrado ingresso. A caminha de 600m, sem necessidade de guia, leva às formações rochosas de 600 milhões de anos. Elas alternam tons de cinza na superfície e, como foram esculpidas pelo Rio São Miguel, ficaram com aparência semelhante à das crateras lunares. Completam o cenário diversas piscinas naturais entre grutas e fendas. No entanto, não há onde dormir na propriedade. Por isso, Marcelo Roriz decidiu investir em uma fazenda de 25 hectares vizinha, onde construiu a pousada, há 28 anos.

Desde então, a Aldeia da Lua recebeu muitas melhorias, como piscinas, até chegar a 15 bangalôs. Só a queima de um deles, deu um prejuízo de R$ 80 mil, segundo o dono. Mas, como os demais empresários do turismo da região da Chapada, Marcelo Roriz amarga perdas desde o início da série de incêndios, em 10 de outubro. “Não recebo hóspede há 10 dias, não tenho como fazer reservas nem sei quando voltarei a fazer uma. Costumo receber 40 pessoas em fins de semana. Isso aqui é a minha vida. Decidi trocar Goiânia pela Chapada por causa da beleza daqui. Agora, assisto a uma tragédia. Nunca vi tanto fogo em tanto lugar ao mesmo tempo. É tudo muito triste”, desabafou o goianiense.

Posts Relacionados