Palmeiras faz 'mutirão' contra calotes de clubes e cobra na Justiça até dívida de R$ 9 mil

Palmeiras faz 'mutirão' contra calotes de clubes e cobra na Justiça até dívida de R$ 9 mil

O Palmeiras fez um "mutirão" na Justiça e entrou com uma série de processos exigindo o pagamento de dívidas contraídas por clubes como Paysandu, Náutico e Rio

Leia tudo

O Palmeiras fez um "mutirão" na Justiça e entrou com uma série de processos exigindo o pagamento de dívidas contraídas por clubes como Paysandu, Náutico e Rio Claro-SP.

Os pedidos variam muito, indo desde valores "irrisórios" para os padrões de um grande clube de futebol até quantias consideráveis.

Em uma das ações, o time alviverde cobra R$ 9.398,10 do time do Pará por conta do não pagamento de uma parcela do empréstimo do zagueiro Thiago Martins, realizado em 2015.

O valor original da parcela era de R$ 5.000,00, mas, devido à inadimplência, foi atualizado com multa, juros e correção monetária.

Caso ainda assim a dívida não seja quitada, o Palmeiras pede no processo que "seja determinada a penhora online de valores depositados em contas correntes e/ou aplicações financeiras pertencentes" ao Paysandu.

Se faltar dinheiro, o clube paulista ainda pede que "seja determinada a penhora sobre tantos bens quantos bastem para a integral satisfação da dívida objeto desta execução, com novos atos de penhora online, até que a penhora atinja patrimônio correspondente ao valor devido e não pago".

Martins hoje é titular da equipe comandada por Roger Machado, ao lado de Antônio Carlos.

Em outro processo, o "Verdão" cobra R$ 333.384,29 do Náutico por 10 parcelas não pagas do empréstimo do atacante Patrick Vieira à equipe pernambucana, realizado também em 2015.

O valor original da dívida era de R$ 200.000,00, mas foi atualizado com multa, juros e correção monetária.

Assim como no caso do Paysandu, o time do Palestra Itália exige a penhora de rendas do Náutico, e também a penhora de bens do "Timbu" caso a primeira condição não satisfaça inteiramente o pagamento da dívida.

"Dessa forma, não tendo as partes chegado a nenhum acordo para a regular extinção da obrigação, não restou alternativa ao Palmeiras senão a busca dos valores que lhe são devidos por meio do Poder Judiciário", escreveu o clube em trecho do processo.

Patrick Vieira ainda pertence aos palestrinos hoje treina separado do elenco alviverde enquanto aguarda o interesse de outros clubes.

Em outros duas ações, o Palmeiras cobra do Rio Claro duas dívidas: 45.831,45 pelo empréstimo do atacante Rodolfo (atualmente no XV de Piracicaba) e mais R$ 14.893,07 pelo empréstimo do meia Patrik (hoje no Água Santa), ambos ocorridos em 2014.

O valor original das dívidas era de R$ 24.000,00 e R$ 8.000,00, mas foi atualizado com multa, juros e correção monetária.

Como nos casos anteriores, também é exigida na Justiça a penhora de renda e bens para saldar os pagamentos em aberto.

Procurado, o Palmeiras disse que não comenta questões judiciais.