vergonha do corpo

vergonha do corpo

Recebemos um e-mail que seria bom se todo mundo lesse.Sempre falo muito sobre se amar e se aceitar e ser feliz e foda-se o mundo, mas acho muito importante ler relatos de quem ainda está na batalha

Leia tudo

Recebemos um e-mail que seria bom se todo mundo lesse.
Sempre falo muito sobre se amar e se aceitar e ser feliz e foda-se o mundo, mas acho muito importante ler relatos de quem ainda está na batalha. É importante para se enxergar e refletir. O texto é bem longo, mas vale a pena. O nome foi preservado a pedido da autora.
 
Sempre fui gorda, mas engordei muito mais no final da adolescência (passei dos 100kg) e, como sou baixinha, eu parecia ainda mais gorda do que era. Além disso, meu cabelo era bem crespo, enquanto o do meu irmão era liso. Minha mãe lamentava. Dizia que menino não precisava de “cabelo bom” e que era muito pior pra mim, menina, ter o “cabelo ruim”. Aliás, meus pais viviam me comparando com as primas magrinhas, loirinhas e arrumadinhas e diziam que eu ia acabar solteirona se não me cuidasse. Elas de salto, eu de tênis. Elas de maquiagem, eu com sobrancelhas de taturana. Até os 15 anos eu ainda nem tinha dado o primeiro beijo.
“-Nenhum rapaz gosta de moça feia e desleixada.” – minha mãe dizia.
Meu pai dizia que tinha pena de mim, pois eu ficaria para titia. Até porque, “homem não gosta de mulher feia”.
O meu irmão mais velho dizia que se eu continuasse engordando, iria explodir. E não ia servir nem para ser estuprada.
Talvez por isso eu, apesar de sempre ter gostado das ideias feministas, nunca quis me aprofundar. Existe o estigma de que feminista é feia, gorda e solitária. Eu já era feia, gorda e solitária. Provavelmente, seria uma “solteirona” no futuro. Por tudo isso, me afastei do feminismo. Não precisava de mais um rótulo.
Tentei não me ofender com os insultos e apelidos. Tentei rir do que me fazia sofrer. Quando um apelido doía muito, eu ria. Me chamavam de elefanta e eu ria. Me chamavam de Mônica (do Mauricio de Sousa) e eu ria.
Era a palhaça da turma. Sempre tive muitos “amigos” na escola. Diziam que eu sabia brincar, que não era uma chata politicamente correta. Que aceitava bem as piadas e as brincadeiras. Eu sorria. Por dentro, já estava inundada pelas lágrimas que nunca chorei.
Por vergonha do meu corpo, cortei a possibilidade de sexo da minha vida. Sofri por 10 anos. DEZ ANOS. Dos 16, quando tive a primeira oportunidade de transar com um carinha de quem estava a fim, mas decidi não transar por vergonha de ser gorda, até os quase 27 anos. DEZ ANOS me escondendo. DEZ! Quando os caras insistiam muito, eu já achava que estavam querendo me zoar, que era alguma aposta, que os amigos iriam rir de mim, que ele ia filmar tudo e postar em site pornô com vídeos bizarros das gordas. Eu sempre tinha uma desculpa para os caras. Às vezes era uma avó doente. Às vezes era uma dor de cabeça porque tinha bebido demais (detalhe: eu nunca bebi nada na vida, nem nunca usei drogas, porque achava que poderia me entregar e espalhar meus segredos se ficasse bêbada ou drogada demais.)
Não ia à praia. Não ia ao clube. Morava numa cidade fria, o que era a minha sorte. E, até hoje, não sei nadar.
Quando saí da faculdade e fui chamada num concurso público, continuava sem querer namorar ninguém e dizia que queria aproveitar a vida, ficar com todos. Sabem o que é engraçado? Ninguém nunca percebeu que eu era uma farsa. Nunca. Na faculdade, meu apelido era “gorda vagaba”. Pois é. E vários colegas diziam que já tinham me comido. Os malditos adoravam se gabar “a gorda é fácil’. E eu nunca desmentia. Mas também não me gabava. Eu não falava nada. Desconversava. Não queria contar vantagem. Queria apenas me esconder. Acho que foi por isso que a fama se espalhou.
“Antes gorda vagaba, do que gorda solitária e virgem” – eu pensava.
Saí da faculdade e continuei a mesma tonta. Eu beijava de vez em quando em baladas e nos carnavais, mas não namorava ninguém e não fazia sexo porque continuava com vergonha de mostrar o corpo gordo, flácido, com estrias e peitos caídos por causa do efeito sanfona de engordar-emagrecer-engordar mais-emagrecer-engordar mais um pouco. Infinitamente. Sempre voltava aos 100kg.
Só tive um único namorado. Era um evangélico, 

Posts Relacionados